Sobre

Plataforma Práxis
Formação Permanente para a Educação Integrada

O NOVO PARADIGMA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA

A implementação da educação integral de tempo integral no Brasil pressupõe a construção de uma perspectiva “integrada” entre os sistemas públicos de educação, os diferentes setores estatais de atenção social e as organizações da sociedade civil e dos movimentos populares.

A expressão “educação integrada” tem sido usada na literatura da área como um quase sinônimo de “educação integral”. Em nossa perspectiva, adotamos a expressão para designar um formato de educação integral de tempo integral que cria vínculos institucionais e comunitários, “integrando” o espaço de atividades interiores à escola a outros que lhe são exteriores. Trata-se de um modelo de educação integral, de tempo integral, que acolhe práticas e saberes, mas que também se estende para fora de si, levando suas atividades para o bairro, o posto de saúde, a praça etc.

Tal perspectiva pressupõe que, além de oferecer formação adequada aos professores e aos novos agentes que ingressam no trabalho escolar da educação formal, também é necessário apoiar e instrumentalizar os processos educacionais informais dos movimentos sociais e populares organizados.

A educação integrada depende não apenas da incorporação de diferentes práticas sociais e seus sujeitos, mas também da expansão de seus paradigmas para fora da escola. É fundamental redimensionar as fronteiras entre o espaço escolar tradicional e os “outros” espaços de organização de educação, cultura, saúde etc.  

Este processo não se faz por meio da sobreposição de funções, aparatos e agentes, mas, pelo contrário, por sua integração em redes que se reconstituem e se fortalecem por meio de projetos e parcerias de convergência e de colaboração.

Não se trata, portanto, de apenas trazer outros agentes para dentro da escola, mas de integrar a escola a outros campos institucionais e comunitários, em parecerias dialógicas que tragam benefícios recíprocos.

FORMAÇÃO PERMANENTE DE EDUCADORES DENTRO E FORA DA ESCOLA

A Plataforma de Formação Permanente para a Educação Integrada (Plataforma Práxis) foi criada pelo Grupo de Estudos Transdisciplinares e Aplicados à Formação de Educadores (Grupo PORTOS – CNPq/UFG) para oferecer a agentes da educação formal e informal capacitação pública, gratuita e de qualidade. Nossos projetos não se reduzem à mera oferta de formação, mas à própria construção das condições de possibilidade dessa oferta, seja em seu desenho, seja em suas condições materiais e objetivas.

Nossa perspectiva metodológica tem por base o relacionamento dos processos de formação aos contextos reais de atividade dos sujeitos envolvidos e às demandas de seus campos sociais e institucionais. Nesse sentido, todo plano formativo constitui-se de acordo com a negociação de uma agenda ética e colaborativa de pesquisa, planejamento, execução e avaliação.

CONSTITUIÇÃO DE PROJETOS E PARCERIAS DE FORMAÇÃO E PESQUISA

Todo projeto construído por meio da Plataforma Práxis supõe sua integração a um processo de pesquisa, negociado e partilhado com os campos sociais parceiros e seus sujeitos. Diagnósticos, metodologias e tecnologias produzidos são disponibilizados gratuitamente ao público em geral, após sua sistematização e avaliação, podendo ser replicados, desde que não haja finalidade comercial.

Deste modo, qualquer nível de governança pública, de organização da sociedade civil e dos movimentos populares pode propor, colaborar ou participar de demandas de capacitação na Plataforma Práxis, seja com recursos próprios, seja com captação de editais de execução de políticas públicas.

O desenho pedagógico, logístico e financeiro dos projetos é produzido pela equipe da plataforma, sob assessoria, orientação e fiscalização da Fundação de Amparo à Pesquisa (FUNAPE), bem como de outras instâncias de controle e fiscalização da Universidade.